Curta a Nossa
FANPAGE
REVISTA MERCOSUL
For Export
Visitas: 2.691.383 | Email: info@ccmercosul.org.br | Telefone: +55 (11) 5524-6370

FIQUE POR DENTRO


Franco diz que eleições presidenciais não encerram suspensão do Paraguai do Mercosul

Brasília – Em campanha na Assembleia Geral das Nações Unidas para o fim da suspensão do Paraguai do Mercosul, o presidente Federico Franco não acredita que após as eleições de 21 de abril de 2013 o bloco elimine a punição. As autoridades brasileiras reiteram que a suspensão será mantida apenas até as eleições. Franco, porém, insiste na descrença: “As coisas não vão mudar”.

Federico Franco foi a Nova York disposto a conversar com integrantes da comunidade internacional para mostrar que a suspensão do Paraguai, no fim de junho, foi injusta. Para os líderes do Mercosul, houve a suspensão da ordem democrática durante o processo de impeachment de Fernando Lugo, que durou menos de 24 horas.
 
"Seja quem for o governante do  meu país a partir de 15 de agosto de 2013, eu garanto que as coisas não vão mudar”, disse o presidente do Paraguai, que não aceita o ingresso da Venezuela no bloco, oficializado no fim de julho. “Meu país não tem relações com Hugo Chávez [presidente da Venezuela]”.

Em seguida, Franco lembrou que o Parlamento do Paraguai – formado por 80 deputados e 45 senadores – rejeitou a entrada da Venezuela no Mercosul. “O Congresso tomou uma decisão unânime de marginalizar [a Venezuela] devido à participação de Chávez em grupos que ameaçam a segurança e a estabilidade do meu país", disse ele.

Segundo Franco, sua missão é defender a “soberania” do Paraguai nos diálogos que mantêm em Nova York. Em discurso na abertura da 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas, a presidenta Dilma Rousseff mencionou indiretamente a suspensão do Paraguai do Mercosul. Ela disse que a medida foi tomada em respeito à democracia e à integração da região.
Câmara de Comércio do Mercosul e Américas
+55 (11) 5524-6370 | info@ccmercosul.org.br
Agência WebSide