Curta a Nossa
FANPAGE
REVISTA MERCOSUL
For Export
Visitas: 2.621.374 | Email: info@ccmercosul.org.br | Telefone: +55 (11) 5524-6370

FIQUE POR DENTRO


Dilma faz visita de Estado a França e examina a crise europeia

A crise na Eurozona e a preocupação com o crescimento serão os principais temas na visita de Estado de dois dias a França, iniciada nesta terça-feira, da presidente Dilma Rousseff.
Depois de uma recepção de honra, o presidente francês François Hollande e Dilma Rousseff inaugurarão um 'Fórum do Progresso Social', cujo objetivo é 'reinstalar o crescimento no centro do debate público mundial'.

Hollande receberá a colega brasileira no palácio presidencial do Eliseu. Ao fim do encontro bilateral, os dois presidentes concederão uma entrevista coletiva e participarão em um jantar de Estado.
A crise econômica na Eurozona, a cooperação bilateral e temas internacionais, como a situação na Síria e Oriente Médio, figuram entre os temas que serão examinados, segundo a diplomacia brasileira.

Dilma Roussef se reuniu pela manhã com o presidente da Assembleia Nacional francesa, Claude Bartolone, e durante a visita terá encontros com o presidente do Senado, Jean-Pierre Bel, e com o prefeito de Paris, Betrand Delanoë.
A presidente brasileira também deve conceder uma entrevista coletiva na sede da Medef, a principal associação empresarial francesa.

No fórum organizado pela Fundação Jean Jaurès e pelo Instituto Lula, que também terá a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma deve reafirmar as críticas ao modelo europeu de ajustes, além de defender a experiência brasileira de estímulos ao crescimento para combater a crise.
A visita de Dilma Rousseff a França 'é representativa de uma diplomacia econômica e política do Brasil', mas pode 'ter repercussões também para a associação estratégica entre a União Europeia e o Mercosul', afirma Carlos Quenan, do Instituto das Américas.

'Trata-se de aumentar a atratividade dos investimentos e atenuar certas tensões do tipo protecionista que bloqueiam a associação UE-Mercosul', completou o analista, antes de apontar que 'estamos em um mundo em crise no qual podem predominar a guerra cambial e o avanço das políticas protecionistas'.
'Embora os efeitos diretos da crise europeia não sejam importantes até agora na América Latina, se a mesma for mais grave, o impacto pode ser grande, e existe uma preocupação no Brasil, que não consegue recuperar o crescimento' (1,03% este ano). Existe o temor de um choque financeiro nos países europeus que estão em situação mais delicada' (Espanha, Itália), destacou Quenan.

O processo de licitação brasileiro de 36 aviões de combate, no qual competem empresas da França, Estados Unidos e Suécia, não é mencionado na agenda da visita presidencial, mas o tema, que esteve no centro das conversações bilaterais dos últimos anos, certamente será abordado.
Na segunda-feira, a chancelaria francesa destacou 'a qualidade da associação, em particular o respeito à transferência de tecnologia', mas ressaltou ao mesmo tempo que 'é uma decisão soberana do Brasil'.
Na quarta-feira à tarde, Dilma Rousseff viajará de Paris para a Rússia.
Câmara de Comércio do Mercosul e Américas
+55 (11) 5524-6370 | info@ccmercosul.org.br
Agência WebSide