Curta a Nossa
FANPAGE
REVISTA MERCOSUL
For Export
Visitas: 2.685.404 | Email: info@ccmercosul.org.br | Telefone: +55 (11) 5524-6370

FIQUE POR DENTRO


Promotor quer ouvir Lula sobre caixa dois em 2002

O Ministério Público do Distrito Federal quer chamar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para depor em investigação sobre a suposta prática de caixa dois na campanha que o elegeu em 2002.

A investigação foi aberta após denúncia feita no ano passado pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, o operador do esquema do mensalão, que será notificado para depor também.

Valério não aceita acordo e esvazia apuração contra Lula
Meirelles é ouvido sobre acusações de Valério

Eles não serão obrigados a comparecer ao Ministério Público, porque foram chamados como testemunhas. "Devemos chamar os dois, mas não é obrigatória a presença", disse o promotor Mauro Faria, responsável pelo inquérito na Promotoria Eleitoral.

A informação foi publicada primeiro pela revista "Veja" na edição desta semana. Por meio de sua assessoria, o ex-presidente Lula afirmou que não iria comentar o caso.

No depoimento do ano passado, prestado quando o julgamento do mensalão ainda estava em andamento, Valério disse que a siderúrgica Usiminas doou R$ 1 milhão à campanha de Lula fora da contabilidade oficial. Procurada, a assessoria de imprensa da empresa não respondeu até a conclusão desta edição.

O Ministério Público abriu seis investigações preliminares para apurar as novas denúncias de Valério e anexou trechos do seu depoimento a duas outras em andamento.

Valério afirmou também que Lula, o ex-ministro Antonio Palocci e o português Miguel Horta, então presidente da Portugal Telecom, negociaram uma doação eleitoral de US$ 7 milhões para o PT.

Lula e Horta negaram no ano passado que tivessem discutido o assunto. O advogado de Palocci, José Roberto Batochio, chegou a classificar o depoimento de Marcos Valério como "invencionice".

Segundo investigadores, o operador do mensalão disse que os depósitos foram feitos por fornecedores da Portugal Telecom em Macau, na China.

Como a Folha informou em junho, Valério recusou-se mais tarde a colaborar com essa investigação, permanecendo calado quando foi chamado para depor novamente, esvaziando a investigação.

Ele disse que só aceitaria cooperar se pudesse obter benefícios em outros inquéritos criminais abertos contra ele.

Para tentar rastrear o dinheiro, a Polícia Federal pediu ajuda ao DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos), órgão do Ministério da Justiça especializado na busca de recursos desviados ilegalmente para o exterior.

A polícia solicitou detalhes da movimentação financeira das contas indicadas por Valério, como a identidade dos titulares e dos depositantes.

No mensalão, Valério foi condenado a mais de 40 anos de prisão por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, peculato e evasão de divisas.
Câmara de Comércio do Mercosul e Américas
+55 (11) 5524-6370 | info@ccmercosul.org.br
Agência WebSide