Curta a Nossa
FANPAGE
REVISTA MERCOSUL
For Export
Visitas: 2.685.432 | Email: info@ccmercosul.org.br | Telefone: +55 (11) 5524-6370

FIQUE POR DENTRO


Novo sistema de e-mails vai 'livrar governo da espionagem', diz Serpro

Segundo presidente do órgão, toda tentativa de invasão será identificada.
Tecnologia deverá ser instalada na Presidência em novembro deste ano.
O presidente do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), Marcos Mazoni, afirmou nesta segunda-feira (14) que o novo sistema de e-mails desenvolvido pelo órgão para proteger dados será capaz de “livrar o governo completamente da espionagem”.

De acordo com ele, uma tecnologia chamada Expresso V3 e desenvolvida pelo órgão - que presta serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações para o setor público - é capaz de identificar quaisquer tentativas de acesso ilegal de informações.

Todo o tráfego de dados ocorrerá em servidores do Serpro e por fibras óticas de empresas públicas, como a Telebrás, sem uso de redes estrangeiras.
“O uso do Expresso na comunicação, nos sistemas de comunicação do governo, livra o governo completamente da espionagem”, afirmou. O anúncio de instalação da nova tecnologia de e-mails ocorre após revelações, pelo programa Fantástico, de que o governo dos EUA espionou a Petrobras e a presidente Dilma Rousseff e de que o Canadá espionou o Ministério de Minas e Energia.

Com o objetivo de evitar o acesso de comunicações do governo brasileiro por outros países, a própria presidente determinou que o Serpro desenvolvesse uma tecnologia segura de transmissão de informações pela internet.
Mazoni afirmou que o Expresso V3 será implantado a partir de novembro, primeiramente na Presidência da República. O sistema é uma atualização de outra tecnologia de internet desenvolvida pelo órgão, o Expresso V2, já utilizado por 20% do governo federal.

Tecnologia
Com esse software, a conexão à internet, troca de e-mails e videoconferências ocorrem por uma rede interna, o que deve dificultar o acesso de espiões às mensagens trocadas pela presidente, ministros e funcionários públicos. Já os e-mails enviados por autoridades a terceiros serão criptografados, ou seja, são protegido por uma série de códigos.

O acesso ao sistema de e-mails e internet pela presidente e ministros ocorrerá por certificado digital também desenvolvido pelo Serpro. O objetivo é evitar o uso de computadores e dados por quem não possui autorização.

“Esse programa é seguro e roda exclusivamente dentro do nosso sistema. Todos os nossos clientes estão hospedados na nossa infraestrutura. Temos controle do tráfego. Tudo é auditável e dominamos completamente os códigos. Nossa infraestrutura nós garantimos que não há invasão”, disse o presidente do Serpro.

O sistema interno de tráfego de dados foi desenvolvido em 2004 e implantado em órgãos federais em 2007, como no Ministério da Fazenda e na Receita Federal. No entanto, a Presidência da República e demais pastas nunca optaram por essa tecnologia, apesar das maiores garantias de segurança.

"Nunca se preocupou com o fato de que essas ferramentas de comunicação pudessem criar tanta possibilidade maliciosa de uso. Saber que tecnologias precisam ser auditadas, se sabe. A nossa preocupação maior [no uso de tecnologia própria] era com sigilos", disse.

De acordo com Mazoni, a presidente Dilma utilizava o Outlook, programa de e-mail que pertence à empresa norte-americana Microsoft. O Ministério de Minas e Energia, que também foi alvo de espionagem, não utilizava a tecnologia do Serpro.

“Os softwares desenvolvidos nos Estados Unidos seguem a legislação americana que determina a entrega de dados caso sejam solicitadas pelo governo norte-americano”, explicou o presidente do Serpro.

Marcos Mazoni afirmou ainda que o sistema anterior, o Expresso V2, já se mostrava eficiente contra invasões, especialmente na proteção de dados de Imposto de Renda. “Temos tentativa de invasão todo ano de dados do Imposto de Renda e sempre são evitadas."
Economia
De acordo com o Serpro, o uso da tecnologia trará economia, já que não haverá cobrança para o tráfego de dados e uso dos servidores. Segundo Marcos Mazoni, só a licença para uso do servidor de internet custa cerca de R$ 80 por e-mail.

“Teremos redução de custo, porque se você não vai mais usar softwares que necessitam licença. A cada usuário, o governo tem que gastar 80 reais por licença, fora a operação. Se temos em torno de 1,8 milhão de funcionários públicos, estamos falando em alguns milhões de reais que não serão gastos em licença”, disse.
Câmara de Comércio do Mercosul e Américas
+55 (11) 5524-6370 | info@ccmercosul.org.br
Agência WebSide